A Tendência das Máscaras Faciais de Tecido

Não é segredo nenhum que a brasileira ama importar os hábitos de beleza das asiáticas. Nos apaixonamos por BB Cream anos atrás, estamos aprendendo a seguir os passos da rotina diária das coreanas e até estamos olhando de forma mais crítica as fórmulas dos cosméticos.

E vocês já repararam que as máscaras faciais de tecido vieram com tudo em meio ao boom asiático? O que começou de forma simples por aqui, se tornou uma verdadeira febre, com marcas nacionais apostando na tendência. E esse tsunami de máscaras faciais vai muito além das selfies de Instagram.

Vesti meu chapéu de Sherlock Holmes e decidi investigar a fundo essa tendência. Venha, Watson!

As máscaras faciais de tecido (sheet mask, no inglês) começaram a despontar na Coreia do Sul como uma forma de tratamento express, eficiente e barato. Basta aplicar o tecido diretamente na pele, esperar alguns minutos e voilà! Temos uma pele renovada.

E as coreanas são apaixonadas por métodos eficazes e rápidos de cuidar da pele. Coisa que nós ocidentais também amamos. Afinal, não é sempre que temos tempo e nem dinheiro para um tratamento spa, né?

Essas máscaras faciais de tecido lembram muito um lenço umedecido. Elas são embebidas com ativos e fórmulas que hidratam, reparam e cuidam da pele. Algumas até entregam um efeito lifting, diminuem poros e combatem espinhas.

Elas são descartáveis e fáceis de usar. Basta abrir o pacotinho, aplicá-la diretamente na pele por uns 20 minutinhos.

Você pode usar sua máscara para uma ocasião especial em que você queira uma pele impecável. Mas se você quiser seguir os passos das coreanas, vale usar as máscaras duas vezes por semana.

As máscaras faciais de tecido não excluem toda a sua rotina de skincare, viu? Ela serve como um complemento bem babadeiro e que dá um boost nos seus cuidados com a pele.

Como essa febre pegou primeiro na gringa, por muito tempo só existiam opções de máscaras nas marcas importadas. Aqui no Brasil uma das empresas pioneiras em trazer máscaras assim foi a Sephora.

Contudo, a brasileira pegou gosto e o mercado nacional começou a investir em opções baratinhas. A Ricca é uma das empresas pioneiras em explorar esse mercado tão novo ao Brasil.

E eu acredito que essa moda vai pegar cada vez mais. Sinto que a brasileira está valorizando mais produtos de skincare. E o nosso namoro com as máscaras de tecido tem tudo pra virar casamento hehe.

O que vocês acham dessa tendência?testaram alguma máscara?

Rodin Lança Coleção de Make Inspirada em Sereias

Quem nunca ficou de bobeira no Instagram e acabou encontrando algum babado daqueles? Foi assim que me deparei a nova coleção sereística da Rodin. O que é esse iluminador, minha gente?

Fiquei tão apaixonada pela cor do iluminador, pelos detalhes em alto relevo, que decidi pesquisar a fundo tudo sobre essa coleção sereia e a marca Rodin.

Primeiro descobri que a marca Rodin foi criada pela ex-modelo Linda Rodin. Ela é um ícone no mundo da moda, uma mulher que se veste como ela quer, independente da idade.

Linda criou a marca Rodin em 2008. Grande parte do portfolio da empresa é de produtos de skincare, como óleos corporais e faciais.

E recentemente a Rodin decidiu criar uma linha de make inspirada no universo e nos encantos das sereias. A coleção Mermaid Glow conta com iluminador em pó, iluminador líquido, batom em bala, óleo corporal, óleo labial e pincel kabuki.

O iluminador desejo é do tipo que é gel, mas vira pó em contato com a pele. A Rodin desenvolveu a cor Siren pensando em uma tonalidade que se adapte em qualquer tipo de pele. É riqueza que chama, né?

Não só achei a cor extremamente elegante e luxuosa, mas amei a originalidade da embalagem. É o tipo de produto que te conquista pela beleza, sabe?

Os valores da coleção Mermaid Glow variam entre US$ 25 a US$ 90. Infelizmente a marca só é vendida nos Estados Unidos :( Seria tão legal ver alguém trazendo essas novidades pra cá, né?

O que vocês acharam dessa coleção toda sereística glam? Achei um arraso! Desejei forte.

Fotos: @prettyismyprofession, @makeupwithmona, @ameliaasays, @theonlywandererr, @nomorfriends, @rodinoliolusso

Grandes Nomes do Mundo da Beleza: Anna Pegova

Olá, meus amores! Estavam com saudades do Grandes Nomes do Mundo da Beleza?

Neste capítulo vou falar sobre a cosmetóloga Anna Pegova. Infelizmente a história de Anna foi se perdendo ao longo dos anos. Existem poucos registros dos acontecimentos da vida da empresária.

Mas acredito que é essencial dedicar um episódio dessa série a Anna, mesmo que ele seja mais curto e menos detalhado que os anteriores.

Anna Pegova nasceu em 1886 (ou em 1896, depende da fonte), na Rússia. A cosmetóloga mudou-se em 1920 à Paris, França, por conta da Revolução Russa.

Foi a partir dos anos 1930 que Anna começou a ingressar na indústria de cosméticos. A russa tornou-se amiga de Helena Rubinstein e decidiu seguir pelo ramo do skincare.

A cosmetóloga passou anos estudando ativos, fórmulas e técnicas estéticas. E ela teve seu nome consagrado no universo da beleza pela criação do peeling vegetal. 

O peeling vegetal (ou gomagem) é uma técnica estética que remove as células mortas da pele, deixando-a mais macia e cheia de viço.

O desejo de Anna era abrir um instituto de beleza em que ela pudesse oferecer um serviço personalizado de skincare aos clientes.

A inauguração do espaço foi adiada por conta da Segunda Guerra Mundial. Contudo, em 1947, a empresária abre o Institut Anna Pegova, na Avenida Matignon, Paris.

Logo os tratamentos e o Instituto de Anna Pegova se tornaram um sucesso na Cidade Luz. Dentre artistas e nomes de peso da época, Edith Piaf foi sua cliente assídua mais conhecida.

Anna Pegova decidiu explorar o mundo viajando por países como Inglaterra, Canadá, Argentina, Austrália e Brasil. A ideia da russa era levar a marca francesa para outros territórios, além de absorver os conhecimentos e matérias primas de outras regiões do globo.

Anna Pegova ficou fascinada com o nosso país, e decidiu-se instalar nele para desenvolver tratamentos de skincare ao lado de renomados cirurgiões plásticos.

Quando a cosmetóloga faleceu, seu filho continuou o legado da mãe. Decidido em voltar às raízes francesas, em 1991, o herdeiro de Pegova inaugurou um novo Instituto na esquina da Rua Royale e do Faubourg Saint Honoré.

Poucos anos depois, um grupo de negócios independente adquiriu a empresa do filho de Anna Pegova. Os novos investidores não possuíam uma equipe de desenvolvimento de produtos, por isso que a marca foi fechada na França. A partir daí, a Anna Pegova passou a se concentrar apenas no Brasil.

O compromisso da cosmetóloga sempre foi de preservar a juventude das mulheres com dermocosméticos e tratamentos estéticos altamente tecnológicos.

Há mais de 40 anos no Brasil, a marca se consolidou com uma rede de renomados institutos de beleza. Hoje a empresa conta com um extenso portfolio de produtos de skincare e até de maquiagem.

Assim como outros grandes nomes dessa série, Anna Pegova foi uma mulher que dedicou toda a sua vida para criar tratamentos e padrões de skincare que usamos até os dias de hoje. 

É uma pena que pouco se sabe sobre os detalhes da vida de Anna. O esquecimento de histórias como essa acarreta no esquecimento da própria História da humanidade.

E nós – não só como consumidoras assíduas de beleza, mas como mulheres- devemos trabalhar para preservar a história de marcas e nomes que nos acompanham durante uma vida inteira.

Vocês gostaram da história de Anna Pegova? Qual próxima personalidade vocês querem que eu retrate?