Dicas de Make com a Drag Queen Aretuza Lovi

Olá, meus amores! Tudo bem com vocês?

Hoje trago um post todo especial para vocês. Neste mês a drag queen Aretuza Lovi ministrou uma masterclass em parceria com a NARS. Ao lado dos maquiadores Rafaella Crepaldi e Raffa Souzza, ela dividiu diversas dicas de beleza, truques e tendências.

Eu separei as dicas mais interessantes que a Aretuza deu durante a masterclass, e realizei uma entrevista exclusiva. Toda a maquiagem desse post foi feito com produtos NARS.

PELE

  • Aretuza sempre usa um batom em bala vermelho por toda a região da barba, para camuflar os pontinhos de pelos nascendo. Ela esfuma todo esse vermelhão, para que não fique nada marcado. Feito isso, ela aplica uma base de alta cobertura para deixar a pele perfeita.
  • Apesar de toda a cobertura, a Aretuza ensina a sempre dar batidinhas com uma esponja, para que a maquiagem fique natural.

  • Na hora de aplicar o pó translúcido, a Aretuza sempre pega uma pequena quantidade e já esfuma. Segundo ela, esse tipo de pó é muito fininho e adere fácil na pele. Se você não esfumar rápido, ele vai marcar as linhas de expressão.
  • Para criar o contorno perfeito, a drag usa contorno em stick + versão em pó. 

OLHOS

  • A drag gosta bastante de uma maquiagem bem esfumada e com pontos iluminados. Ela mescla tons vibrantes com outros mais clássicos. 
  • A Aretuza explicou que adora usar lápis bege na linha d’água para abrir o olhar e deixar a aparência mais descansada

  • Outro truque da drag é sempre iluminar o cantinho interno. Segundo ela, essa dica faz toda a diferença na maquiagem olho.

BOCA

  • A dica de Aretuza para criar o bocão perfeito é usar um lápis labial + batom da sua preferência. Ela explicou durante a Masterclass que sempre utiliza essa combinação na hora dos shows e clipes. E segundo ela, o lápis não precisa ser necessariamente da cor do batom. O importante mesmo é aplicá-lo para fazer o bocão durar muito.

Pausa Para Feminices: Como você aprendeu a se maquiar?

Aretuza: Eu já trabalhei em uma loja de maquiagem, onde eu ministrava muitos cursos de automaquiagem. Porque eu fui instruído por aquela empresa a ensinar isso.

Mas quando eu comecei a ser drag, eu não sabia me maquiar como sei hoje. Quando eu fui conhecendo o meu rosto e testando produtos, eu fui aprendendo.

O negócio é você treinar, sabe? Em todas as vezes que você for se maquiar, experimente alguma coisa diferente. Errou? Limpa! Até hoje eu erro. Quantas vezes eu invento algo e acabo errando? Poxa, e eu erro o olho todinho! O outro está perfeito, mas eu tenho que tirar e fico com raiva.

Mas isso é tudo aprendizado, porque da próxima vez eu vou acertar. Não existe uma técnica regrada que você tem que seguir.

Tem dias que eu não quero começar pela pele, talvez porque vou fazer um olho com glitter, algo muito escuro, e não quero sujar minha pele. Quando é assim, começo pelo olho e depois faço minha pele. Ou vice e versa.

Não existem passos ou tendências. Você tem que fazer o que você quiser.

PPF: Quais são seus itens prediletos de maquiagem?

A: Meus itens prediletos são os de pele. Eu valorizo muito a pele porque eu sou um menino que preciso me transformar em menina e tudo precisa parecer perfeito. Prezo muito pelo corretivo, base, pó e contorno. São itens que não podem faltar. E quando está para acabar eu já entro em desespero.

PPF: Quais são seus cinco itens indispensáveis da vida?

A: Base, pó, corretivo, um blush mais bronzeado e um pó mais escuro para contorno. Pele total. Meu foco sempre é a pele. Para mim, 90% de uma boa maquiagem é uma pele perfeita. Você pode estar sem nada nos olhos, mas uma pele bem feita já garante tudo.

PPF: Quais dicas você dá para que a pele não fique irritada após ser barbeada?

A: Eu me barbeio usando a gilete em dois sentidos. Primeiro no sentido normal, e depois ao contrário para cortar realmente o pelo. O homem tem o hormônio à flor da pele, eu mesmo tenho muito hormônio masculino.

Se eu fizer a barba de manhã, de noite ela já está apontando. No outro dia a minha barba já estará grande e escura.

Caso você tenha tempo de se preparar, é sempre bom por gelo na pele, para fechar os poros. Você pode até fazer isso após o banho, para deixar os poros bem fechadinhos.

Eu uso um pós-barba para deixar minha pele menos irritada. Daí eu venho com um batom vermelho, de preferência em bala, depois venho com um pó translúcido, um belo corretivo e uma bela base.

Parece assustador, parece que tem muito produto, mas dá certo. E para tirar eu uso um bom demaquilante.

Antigamente eu tirava com shampoo, no banho mesmo. E isso é ruim, porque você vai tirar essa maquiagem quando seus poros estão mais abertos e a sujeira vai entrar. Quando você sair do box, a pele começa a normalizar e você absorveu tudo aquilo.

O certo é você tirar antes do banho, lavar e aí dá tudo certo.

PPF: Você tem uma rotina regrada de skincare?

A: Antigamente eu tinha resistência a comprar produtos para cuidar da pele. Eu sempre tirava tudo com shampoo de bebê, no banho. Eu tirava com o que tivesse. Até bucha vegetal eu passava para tirar. E isso irritava a minha pele, porque eu já tinha o hábito de me barbear.

Recentemente eu viajei para o exterior e entrei em uma loja de cosméticos, e parecia que eu estava em um parque de diversões. Eu saí comprando cosméticos sem saber nem para que servia. E é tudo muito barato lá, né?

Depois que eu voltei para cá, peguei o hábito de usar. Porque já que gastei o dinheiro, agora tem que usar, né? E eu estou sentindo a diferença total na minha pele.

Mas todos os meses eu faço peeling, faço limpeza de pele e coloco botox. Porque o botox é preventivo.

Eu já tenho marcas de expressão, pelo fato de trabalhar na noite, não dormir muito. Por isso que aplico o botox de seis em seis meses. E agora estou cuidando mais da minha pele.

PPF: Você é a drag mais linda que eu já vi, com a pele mais bem feita. Quais tendências e técnicas do mundo drag você sente que cairão no gosto de todos nós?

A: Acho que o mais importante é você se sentir à vontade, conhecer o seu rosto e ver suas necessidades. Eu comecei com uma maquiagem extremamente caricata, que era mais engraçada. Eu pintava o dente, passava o batom muito fora da boca.

Eu fui me moldando com o tempo, fui vendo o que o meu rosto comportava melhor. Eu acredito que não tem tanto uma tendência de make drag, mas eu acho que o importante é você usar o que você se sente bem.

Eu vejo que vieram muitas tendências do mundo drag depois do RuPaul’s Drag Race, como baking, cut crease. Mas eu acho que acima das tendências, o ideal é você entender o seu rosto e se sentir bem com ele.

Tem coisas que funcionam em uma pessoa, que às vezes não funcionam em outra.

PPF: Quais dicas de maquiagem do mundo drag você daria para todos?

A: Uma boa pele, uma boa cobertura. Estamos na era do iluminador, né? Que nada mais é a iluminação que se usava nos anos 80. Agora voltou essa tendência de uma forma muito mais lapidada. É uma tendência que super está pegando. Mas tem que tomar cuidado para não ficar uma coisa muito mascarada.

Eu acho que o que está fervendo na boca de todo mundo agora são os iluminadores. Eu gosto mais puxado para o rosa e roxo. A pessoas só pensam no branco e no dourado, mas dá para usar uma gama de cores. Como o verde! Depende muito da proposta da sua maquiagem.

Quero agradecer por todo o carinho, paciência e atenção que a Aretuza teve comigo. Obrigada! Também quero agradecer pelo convite incrível da Sandra Tacla e da NARS para poder acompanhar de perto a masterclass. Não poderia deixar de agradecer a assessora Caroline Marcassa e a fotógrafa Bianca Kida. Sem vocês esse texto não existiria.

Um muito obrigada para todos os leitores do Pausa Para Feminices que me proporcionam essas chances. Obrigada, Bru! Eternamente <3

Entrevista Exclusiva com a Maquiadora de Hollywood Marietta Carter-Narcisse

“Nathy, a maquiadora de Hollywwod Marietta Carter-Narcisse virá ao Brasil para uma Masterclass da Avon. Posso contar com a sua presença?”. Foi assim que a assessora da Avon, e minha amiga, conseguiu conquistar minha atenção no começo da semana.

Optei por uma maquiagem delicada no dia do evento. Natural, como nós vemos nas telonas do cinema. E assim me dirigi até o hotel Maksoud Plaza, em São Paulo. Desde que recebi o convite da Avon, eu já sentia que seria uma entrevista especial. Ao atravessar os amplos salões do prédio pude perceber essa sensação se intensificar.

Adentrei na sala Minas Gerais, onde Marietta Carter-Narcisse me esperava para a entrevista. Ela se vestia de maneira sóbria, mas não menos fashionista como é de se esperar de alguém que convive com tantos artistas. E logo no início da nossa conversa pude notar que a artista tinha uma linguagem corporal extremamente humilde e receptiva. 

Marietta parece aquela tia gentil e cheia de histórias que todos nós temos. A diferença é que as histórias de Marietta envolvem Hollywood, atores e atrizes famosas e décadas de conhecimento profundo em maquiagem.

Basta uma rápida pesquisa na internet e no IMDB para descobrir que a maquiadora acumula produções de peso no currículo como Malcom X, Ghost- Do Outro Lado da Vida e Tina. Ela maquiou artistas como Samuel L. Jackson, Tina Turner, Whoopi Goldberg, Denzel Washington, Whitney Houston, Cindy Crowford e Janet Jackson. Sem contar que ela já foi nomeada ao Emmy.

Apesar dos gestos suaves e gentis, do sorriso fácil e da simpatia, Marietta mostrava claros sinais de ser uma mulher forte e workaholic. “Você precisa dar o seu melhor a todo momento, como se a todo tempo estivesse alguém te assistindo. Isso me garantiu tantas oportunidades de trabalho“, ela comentou diversas vezes.

E era natural se esperar isso da primeira maquiadora negra votante – e a única – por 20 anos na Academia do Oscar. 

Assim que sentei para entrevistá-la, pude notar que ela usava as cores da bandeira brasileira nas unhas. Elogiei e ela respondeu, “estou representando vocês. Quando viajo a um lugar não quero ser turista, quero viver no meio daquele povo. E vocês amam tanto o futebol!”.

Marietta nasceu em Barbados, pequena ilha caribenha que importou a Rihanna, como ela mesma comentou rindo. A família se mudou aos Estados Unidos ainda no começo da adolescência, e lá ela começou a costurar e mexer com roupas por hobby. “Eu não poderia imaginar que um hobby se tornaria meu trabalho!”, confessou a artista.

A maquiadora começou trabalhando como consultora de moda da cantora Natalie Cole. Durante um dia de folga, Marietta foi ao cinema e, ao ver os créditos subindo no telão, decidiu que queria ver seu nome rolando ao final de um filme também.

“Naquela época não tinha Google, então eu abri o guia e pesquisei por escolas de maquiagem. Eu vi um anúncio grande do instituto Joe Blasco’s Makeup School. Eu não tinha dinheiro na época para pagar o que a escola pedia, então eu optei por outra instituição, a Elegance International Makeup Academy“, explicou Marietta com a voz suave, como se realmente estivesse falando com uma sobrinha.

E a maquiadora continuou carregando o gosto pelo lado acadêmico pelo resto da vida. Em diversos momentos da nossa entrevista ela aconselhou que quem quer seguir na indústria do cinema nunca deve parar de estudar. Que o bom maquiador deve se reciclar, e sempre procurar novos cursos para se especializar ainda mais.

No começo da carreira, Marietta trabalhou maquiando noivas. Mas as portas de Hollywood começaram a abrir quando ela passou a maquiar para filmes feitos por alunos de cinema. 

Antes de me dirigir a entrevista vi e revi o perfil do IMDB da artista diversas vezes. E eu sempre me pegava questionando o porquê ter um hiato de trabalhos no cinema ao começo dos anos 2000 até o começo da década atual.

Não precisei perguntar para que Marietta explicasse de maneira categórica, “eu passava cerca de 12 a 14 horas nos sets de filmagem. Quando meu filho nasceu, eu não queria que ele não tivesse a presença da mãe, que fosse criado somente pela babá. Eu sempre imaginava como seria para o meu filho se ele estivesse na apresentação do teatro e não visse a mãe na platéia. Eu não queria que ele passasse por isso”, contou a artista para uma platéia cheia de maquiadores que acompanhavam a masterclass.

Não sei se Marietta tinha noção de como esse assunto é delicado no Brasil, mas eu pude notar que a atmosfera da sala Minas Gerais do hotel ficou um pouco mais densa naquele momento. “Nunca se sintam culpados por decidirem largar a carreira para ser mãe. Ou pai. A infância do seu filho acontecerá apenas uma vez, não perca a oportunidade de poder acompanhar tudo isso de perto”, completou.

Apesar da fala mansa mesmo em momentos delicados, Marietta demonstrou mais uma vez uma das características mais fortes de sua personalidade, que é a adaptação. Durante os anos em que ela se manteve fora dos sets de filmagens, a artista se dedicou intensamente a ensinar outros jovens a criarem as belezas que vemos na sétima arte.

Marietta é uma forte defensora de que a indústria do cinema precisa de mais mulheres, e de mais maquiadoras nos sets de cinema. “Até os anos 70 não existiam mulheres fazendo maquiagem no cinema. Só os homens eram indicados para a categoria. E até hoje existem tão poucas. Eu busco ao redor do mundo novos talentos, para que outras mulheres tenham oportunidade”

E se tem uma coisa que a maquiadora é categórica, é que o mundo da beleza precisa de padrões mais realistas. “Eu gosto de pele com aspecto de pele real. Você também gosta?”, ela me perguntou. Acenei com a cabeça afirmando que sim, e ela continuou, “eu vejo algumas tendências no Instagram e fico assustada. Aquela maquiagem pode até ficar bonita na foto, mas a pessoa não vai andar carregando uma ring light para todos os lados, né?”.

Durante a Masterclass que ela ministrou para diversos maquiadores, ela não escondeu nenhum truque que usa nas telonas. Marietta demonstrou na prática que precisamos adicionar cores no rosto para conseguir neutralizar e equilibrar aspectos da nossa pele. “Se a pele parece acinzentada, adicione mais pigmento vermelho puro. As pessoas acham que só a pele negra fica acinzentada, mas as peles claras também ficam”, explicou.

Mas se a platéia da Masterclass estava tímida naquela tarde quente do inverno brasileiro, Marietta não estava. Ela instigou a todos a perguntarem mais coisas, a questionarem mais. Até que uma mão se levantou e uma jovem maquiadora perguntou, “o que você faz com a iluminação do filme? Você pede para as luzes do camarim serem iguais ao do set?”. “Excelente pergunta”, pensei enquanto me ajeitava na minha cadeira.

Marietta repetiu as palavas do meu pensamento em voz alta. E assim como a tia gentil que ela sempre se mostrou, ela explicou que todo maquiador deve se tornar o melhor amigo do cinegrafista. Que é essencial conversar com a equipe para manter as luzes do camarim e do set de filmagens o mais iguais possíveis, para que não acontecesse nenhum tipo de surpresa na hora das gravações.

Durante as horas de entrevista e masterclass pude entender o porquê Marietta me lembrava o perfil da tia querida que todos nós temos. Como ela mesma diz, “atores são seres temperamentais. Para um maquiador é mais importante entender o clima da sua sala do que saber técnica”, ela até parou a maquiagem que estava fazendo, levantou o indicador e continuou explicando, como boa professora que é.

“A técnica é importante sim, mas você como maquiador é um companheiro, um confidente do seu cliente. Você precisa ler aquela situação e saber o que seu modelo precisa no momento. Não adianta ter muita experiência e não entender isso. Se você não souber lidar com o temperamento do cliente, no próximo dia você estará na rua”, finalizou de forma precisa, mas sem perder o tom macio da voz.

Ao fim da masterclass, fui me misturando no meio de tantas pessoas que queriam tirar fotos com Marietta. Pedi um registro com ela, a maquiadora me abraçou e sorriu, dizendo que foi um prazer me conhecer. A gentileza era tanta que Marietta parecia ter convivido com brasileiros há muitos anos. Pelo menos as unhas e a torcida pela seleção pareciam confirmar essa minha hipótese.

Quero deixar um agradecimento especial a toda equipe da Avon que promoveu o encontro com a Marietta Carter-Narcisse. Também quero deixar o meu muito obrigada para a Marietta, por toda a atenção e paciência que ela teve ao longo da entrevista. E o meus sinceros agradecimentos a Bruna e a todos os leitores do Pausa, que permitem que eu tenha essas oportunidades na minha carreira ♥

Entrevista exclusiva com Fernanda Souza – ”Desde criança eu sempre fui muito apaixonada por batom”.

Aproveitei o lançamento da linha batons da Fernanda Souza com a quem disse, berenice? – resenha aqui para chamá-la para um bate-papo exclusivo aqui pro Pausa para Feminices, onde o tema foi claro, MAQUIAGEM. Sou fã da Fer desde X-TUDO e fiquei super honrada com o carinho que ela me atendeu, SIMPÁTICA E MEGA SOLÍCITA. E apaixonada por cores e batons como a gente! COMO NÃO AMAR? Vem comigo conferir essa entrevista mara.

Bruna Tavares: O batom é um dos itens mais icônicos na vida de uma mulher. Você se lembra do seu primeiro contato com batom? Conta pra gente como foi!

Fernanda Souza: Desde criança eu sempre fui muito apaixonada por batom, eu acho que isso é de toda criança né?! Ou não, pelo menos a minha sobrinha é louca por batom igual eu e ela mistura batom igual eu. Esses dias ela passou um batom bem clarinho matte e depois veio com gloss por cima, só que ai ficou muita coisa, ai eu falei :”Amor tá muito batom” e ela disse que gosta de misturar também rsrs. Falei ”então, mas a madrinha mistura o mesmo tipo de batom pra fazer uma cor diferente, quando você passa dois batons juntos fica muita coisa, ai não precisa colocar tanto batom”, enfim, temos essa conexão e nem sei nem porque estou contando isso (rsrsrs).

Bruna Tavares: Fer a gente te ama exatamente por isso rsrs.

Fernanda Souza: Eu lembro de pequena com uns 4 ou 5 anos, eu tinha uma bolsa, tipo uma cestinha de vime assim bem redondinha com uma tampinha, uma alcinha, e lá dentro eu guardava todos meus batons, e eu lembro de gostar de batom rosa e dos mais vermelhos, acho que é porque minha mãe sempre usou batom vermelho a vida inteira, minha mãe é apaixonada por batom, não lembro de ver minha mãe sair de casa sem batom. Então acho que meu primeiro contato foi assim com 5 anos de idade.


Baby Fernandinha, e o batom sempre presente!

Bruna Tavares: Como você escolhe que batom vai usar? Depende do humor, da roupa, da make, ou de tudo? Como funciona esse seu momento atual com batom.

Fernanda Souza: O batom Bru depende mais da roupa. Por exemplo, eu agora estou com um vestido preto, então fiz a pele e estou sem cílios, não deu tempo de fazer a extensão, um batom aqui salva vidas. Agora pra pra dar um UP mais UP mesmooo, quando você não quer botar só um batom, você quer fazer um PAH, eu escolho algo mais forte, hoje por exemplo eu vou botar meu Ruivoli, que é o vermelho mais escuro da minha linha.

Então acho que depende mesmo é da roupa e da maquiagem pra eu poder escolher, meu MOOD não influência muito não. Mas se eu parar pra pensar, meu MOOD influência a roupa, então logo se meu humor influência a roupa, ele influência o batom que influência a calota polar (rsrsrs).


Com o lindo Capuccinoli.

Bruna Tavares: Qual foi sua primeira reação ao ser convidada por uma marca que você ama pra fazer sua própria linha?

Fernanda Souza: Poxa eu fiquei tão feliz, eu sou consumidora da quem disse, berenice? Acho que 80% dos meus batons sempre foram deles, desde que eles me mandaram pela primeira vez eu me encantei e já fui pedindo todos e eles me mandaram realmente TO-DOS. Fiquei com minhas cores preferidas, as outras eu dei para algumas minhas amigas que também amaram. E fiquei usando os batons, tanto é que quando comecei a misturar as cores e criar cores diferentes eu postava uma foto e me perguntavam: “que cor é essa?” eu respondia: “Ai gente, nem é uma cor só, é uma mistura disso com isso e com isso”. Acho que a quem disse começou a ver isso e eles me chamaram pra realmente fazer essa mistura oficial.


Com a misturinha do Chocolili com o Vinheli, a provável inspiração para criação do Ruivoli.

Bruna Tavares: dá pra sentir o quanto você está empolgada mesmo com esse projeto!

Fernanda Souza: Ah, eu estou feliz demais mesmo, isso porque eu falo pra eles, vocês não chamaram uma celebridade, uma famosa, uma atriz, uma apresentadora, vocês chamaram uma CONSUMIDORA. Eu estou como consumidora criando esses produtos do mesmo jeito que eu crio como todas as meninas dentro de casa. E ai eu posso levar isso pra muita gente. Isso é muito legal, porque antes de ser uma pessoa pública, eu sou realmente consumidora da marca, fã da qualidade e do preço, porque eu sou muito daquele pensamento que você não precisa pagar caro pra ter um produto bom e os produtos da quem disse chegam nesse ponto, e ai cabe no bolso de todo mundo, todo mundo pode ser feliz e todo mundo pode ter um produto de qualidade.

Bruna: Você já tinha as 3 cores em mente quando chegou ao lab, ou elas foram nascendo? Como foi o processo de escolha e criação.

Fernanda Souza: Sim, eu já tinha minhas três cores em mente. O Ruivoli eu já tinha criado um bem parecido com ele lá no banheiro de casa. O Capuccinoli eu tinha a ideia do que eu queria fazer com ele em relação a um outro batom deles que é parecido, mas que não é igual, o meu é um pouco mais claro, mais “fácil” de usar porque ele tem menos preto/cinza na fórmula. Olha como eu tô entendida (rsrsrs). Isso porque como eu fui pro laboratório em Curitiba eu fui misturando os tonzinhos, você sabe disso né Bru, porque você é a maga dos batons (EU: #grata rsrs). Fui misturando pra poder criar e ai a gente tirou um pouquinho do preto que dava essa coisa mais acinzentada do batom deles que eu gostava pra poder criar o Capuccinoli.

Em relação ao Pêssegoli eu queria muito que tivesse um nude que fosse um nude pro pêssego e não um nude pro rosa nem um nude pro nude. Ai também fui pro laboratório, fui acrescentando um tonzinho de laranja, um tonzinho mais de branco, pra chegar exatamente na cor que eu queria. Eu fiquei lá no laboratório fazendo mesmo. REAL!

O Pêssegoli inclusive foi o que me deu mais trabalho pra chegar no tom de pêssego que eu queria, porque pro pêssego ir pro rosa é um pulo, e eu queria que ele fosse pêssego rsrsrs.

E foi muito incrível porque deu tudo certo e lá mesmo na hora no laboratório tinha mais ou menos umas 10 meninas e eu já comecei a perguntar pra elas na hora se estavam gostando, todo mundo já foi testando, assim na palma da mão bem (alá) Kylie Jenner, e foi bem legal, assim todo mundo já foi dando feedback eu fui ficando feliz com essas crianças nascendo, foi uma hora de parto bem bonita, foi um parto natural e não foi cesária (rsrs).

Bruna: Por fim, podemos aguardar mais cores em breve? #spoilers

Fernanda Souza: Meu sonho!!! Se a quem disse topar rsrs eu to dentro! Eu adoro criar Bru, eu sou geminiana né, geminiana é bicho que a cabeça não para, toda hora você quer fazer algo! Agora já estou criando mais tons passando eles com eles, entendeu? (rsrsrs).

Esses dias eu fui fazer um jantar aqui em casa com o Thiago e passei o Capuccionoli e pensei: ”nossa mas eu estou muito arrumada, é um jantar mais informal com a família, vou passar agora o Pêssegoli por cima”. Nesse momento já inventei uma nova cor que ficou mais descontraída, enfim… A cabeça aqui não para, se acontecer mais uma colaboração eu vou amar até se for de alguma outra coisa além de batom, vai ser tudo muito bem vindo.

ESTAMOS NA TORCIDA FER! Obrigada pela entrevista e mais sucesso e makes pra gente amar hehe!

  • Os batons já estão disponíveis no site e nas lojas físicas da QDB por R$ 37,90, cada.

AMEI DEMAIS e me identiquei TANTO com ela, incrível como nosso processo de criação é bem próximo, legal isso, né?! Coisa de quem ama make <3 ALGUÉM MAIS SE IDENTIFICOU?