Grandes Nomes do Mundo da Beleza: Helena Rubinstein

Olá meus amores, tudo bem com vocês?

Preparei um capítulo novinho do Grandes Nomes do Mundo da Beleza. Hoje vou falar sobre a Helena Rubinstein, uma das pioneiras da indústria da beleza.

Helena Rubinstein nasceu em 25 de dezembro de 1872, em um bairro judeu da cidade polonesa de Cracóvia. Era a primogênita de oito filhas do casal Hertzel Naftali Rubinstein e Augusta Gitte Silberfeld.

Desde pequena Helena demonstrava ter interesse por negócios e pelo mercado de beleza. Seu pai possuía um pequeno comércio, e a jovem polonesa o ajudava em tudo que era possível, para evitar de ter que fazer tarefas domésticas em casa. A garota tinha um enorme talento em lidar com o público

A mãe de Helena era vaidosa e sempre cuidou muito da pele. Gitte aplicava todos os dias dois cremes húngaros nos rostos de todas as filhas. A mãe dizia para as garotas, que elas influenciariam o mundo todo através de suas belezas e do amor.

A tradição judaica dizia que a irmã mais velha deveria ser a primeira a se casar, porém Helena sempre recusava pretendentes e não tinha planos de se casar e construir uma família. Um casamento arranjado surgiu, para o horror de Rubinstein. A solução encontrada pela polonesa de 22 anos foi partir para a Austrália.

A mãe de Helena ficou preocupada que a filha não levasse os cremes faciais com ela, portanto, Gitte colocou os produtos em uma dúzia de pequenos potes. O objetivo de Helena era se hospedar com o tio Bernhardque morava no país. A garota não falava quase inglês e não tinha nenhum dinheiro nos bolsos.

A polonesa trabalhava arduamente no comércio de seu tio, em Coleraine. Ela que fazia a contabilidade dos negócios, limpava e atendia os clientes. Durante os primeiros anos na Austrália, Helena chegou a trabalhar como garçonete e babá.

Mas ela chamou a atenção das australianas por sua pele impecável, sua estrutura pequena (ela media 1,47 m) e por sua personalidade forte. As mulheres chegavam a pedir dicas de beleza para a jovem imigrante. Helena viu ali uma oportunidade de negócios única.

Helena pediu para que a mãe enviasse os potes do creme milagroso usado por tantos anos. Esse primeiro lote vendeu rapidinho, e a polonesa solicitou uma nova remessa. Mas na época em questão era muito demorada uma viagem entre a Europa e a Oceania, que levaria três meses, no mínimo. A solução encontrada por Helena era ela mesma fabricar os cremes.

A empreendedora sempre acreditou que a indústria da beleza deveria andar de mãos dadas com a ciência. Por conta disso, a polonesa decidiu arregaçar as mangas e estudar aquele mercado a fundo. Helena pediu um emprego na farmácia do Sr. Henderson, assim ela poderia aprender tudo sobre o ofício.

Helena era uma mulher aplicada, e trabalhava desde o amanhecer até a noite. O chefe nota a devoção de Helena e lhe ensina a manipular ervas e óleos. Na busca por recriar o creme da mãe, ela chega a submeter o produto a uma análise microscópica. Mas tudo muda quando sua mãe lhe envia uma carta com a lista de ingredientes do hidratante: azeite, gergelim, casca de pinheiro, essência de amêndoa.

Todas as noites, Helena experimentava as misturas para chegar no creme ideal. Ela conseguiu esse feito ao lembrar de uma informação que leu nos livros do Sr. Henderson. A lanolina, gordura extraída da lã dos carneiros, é ótima para dar consistência aos cremes.

Em 1902, Helena passa a comercializar sua invenção com o nome de Valaze. Ela distribui o produtos de porta em porta, pelas farmácias e mercados de Melbourne. O sucesso foi estrondoso e a empresária abre seu primeiro instituto de beleza, a Casa de Beleza Valaze. No local, ela não só produzia os cremes, mas também fazia a aplicação nos clientes.

A demanda era tamanha que a empresária teve que desenvolver mais produtos, como sabonete, loção adstringente e creme de limpeza. Helena também criou um protocolo de serviços que os clientes deveriam seguir para ter a pele perfeita. Era um tratamento feito sob medida, que diagnosticava as necessidades do cliente. Para Helena, os clientes deveriam saber das informações científicas do tratamento desde a primeira visita.

Em menos de cinco anos, Helena já acumulava uma fortuna de meio milhão de dólares, havia aberto salões em toda a Oceania e deixou sua irmã Ceska cuidando da Casa de Beleza Valaze de Melbourne. A empresária decidiu partir para a Europa para estudar os avanços científicos na área, e para abrir seu primeiro salão em Londres.

Em 1908, Helena abre a Casa de Beleza Valaze no bairro de Mayfair, Londres. No mesmo ano ela se casa com Edward William Titus, jornalista americano de família polonesa. Seu marido a ajudou com a área de publicidade e marketing, ao difundir a ideia de distribuir os cosméticos entre influenciadoras e jornalistas da época.

Pouco tempo depois, ela abre seu primeiro salão em Paris. Na cidade, ela desenvolve novos protocolos e passa a ensinar o trabalho de esteticista aos jovens profissionais. Contudo, com o início da Primeira Guerra Mundial, Helena foge com seu marido e seus dois filhos à Nova York, Estados Unidos.

Em 1915, ela abre seu primeiro instituto nos Estados Unidos. E assim como seus negócios cresciam em escala meteórica, também nasciam suas desavenças. É notória a rivalidade que Rubinstein tinha com Elizabeth Arden e Charles Revson, criador da Revlon.

Em 1928, o império de Helena já empregava mais de três mil pessoas e sobreviveu durante toda a Grande Depressão. E a empreendedora foi investindo em novas profissões que ela mesma inventou, como demonstradora de cosméticos e a esteticista.

No ano de 1938, Helena separa-se de seu primeiro marido e casa-se com o príncipe Artchil Gourielli-Tchkonia, um imigrante russo, 23 anos mais jovem que a empresária. Graças à esse casamento, Helena criou uma linha de beleza exclusiva para homens, na década de 40; e o primeiro salão masculino de Manhattan, nos anos 50.

Uma característica notável de Helena é que ela era uma ávida colecionadora de artes. Apreciava moda, arquitetura e design. Tornou-se amiga pessoal de Pablo Picasso, Salvador Dali, entre outros. Durante a Segunda Guerra Mundial, parte de sua coleção, que se encontrava em seu apartamento  parisiense, foi pilhada pelos nazistas. Após o fim do comflito, a empresária arregaçou as mangas para encontrar tudo novamente.

Helena é reconhecida até hoje por ter uma visão empreendedora para a indústria. Ela foi a responsável por criar a embalagem de máscara de cílios utilizada até os dias de hoje. Desenvolveu também o Silk Powder, um pó tecnológico à base de seda. E passou todos os seus dias trabalhando ativamente em sua empresa, mesmo próximo ao fim da vida.

A empresária também foi pioneira em investir em spas, cremes e ginásticas emagrecedoras, além de incentivar  pesquisas sobre a relação da nutrição e beleza. Helena também apoiava a ideia de tratamentos de beleza para pessoas doentes.

Helena era reconhecida por sua personalidade forte. Desde o início de sua carreira ela gostava de ser chamada de “madame”.

Helena Rubinstein faleceu em 1965, aos 93 anos, de causas naturais. Após a morte da empresária, o Instituto Helena Rubinstein distribuiu mais de US$ 130 milhões em bolsas de estudos para mulheres, além de estimular as artes e organizações nova iorquinas. O órgão funcionou de 1953 até 2011.

A marca foi vendida ao grupo L’oréal em 1988 e até hoje é fiel ao DNA da fundadora: cosméticos desenvolvidos com muita pesquisa científica, luxo e empoderamento feminino.

Helena foi a primeira mulher da História a se tornar milionária com seu próprio trabalho. Foi também a primeira empresária do ramo da beleza a investir em marketing e propaganda, além de andar de mãos dadas com a ciência e com as artes.

Não só isso, mas Helena foi uma mulher que questionou os padrões impostos às mulheres, recusou um casamento arranjado, criou protocolos e metodologias usadas até hoje no mundo dos cosméticos. Helena foi uma mulher muito a frente de seu tempo.

Se você quiser saber mais sobre a vida de Helena Rubinstein, basta ler o livro A Mulher que Inventou a Beleza, de Michèle Fitoussi. Ele está disponível na Saraiva por R$ 41,90.

Gostaram da história da Helena Rubinstein? Quais os próximos nomes que vocês querem ver nessa série?